Teste BikeUp! // microSHIFT Advent 1×9 com cassete 11-42

4
454

A Taiwanesa microSHIFT decidiu chutar o balde e ir contra a maré, pois em vez de seguir a tendência de aumentar número de velocidade e o maior cog do cassete, diminuiu os dois itens. E essa estratégia tem sua magia e funcionalidade experimentada na prática e eu agora, concordo com eles. Digo agora, pois confesso que no início não gostei dessa ideia do 1×9. Mas, prometi a mim mesmo que não comentaria muita coisa além de “vamos esperar para ver”. Ainda bem que fiz isso.

Em breve você verá o kit Advent 1×9 em bikes de grandes marcas como Specialized, Cannondale, Felt, Rock Mountain, entre outras. E isso não é um grande indicativo de que o sistema é bacana? Então.

// O novo microSHIFT Advent

O novo kit microSHIFT Advent é baseado em uma nova arquitetura da empresa, o qual deixaram de seguir o cable pull (puxada de cabo) da Shimano e alçaram voo com as próprias asas. O Advent não é compatível com Shimano. É o primeiro kit com tecnologias de ratio 100% exclusivas da microSHIFT.

Vamos lá…

// O trocador microSHIFT Advent 9v

Modelo testado: SL-M8195R
Eixo apoiado em rolamentos: SIM
Acionamento: Push-Pull
Compatível com Shimano: NÃO
Peso: 116g

Recebi a versão do trocador onde o eixo principal do mecanismo é apoiado em 2 mini rolamentos em vez de buchas. E este detalhe faz uma diferença imensa na leveza e precisão do acionamento. A alavanca de acionamento foi redesenhada está ainda mais ergonômica. Acessar o gatilho de release também está mais fácil e prático.

A função Instant Release é bem bacana. O cabo é liberado no primeiro “click”, quando o gatilho é puxado, e não no segundo quando é liberado. Então, quando ouvir/sentir o “click”, a marcha já será trocada. Para você ter uma ideia da importânica, na linha shimano esta função está apenas nos trocadores XT, XTR e Saint.

Para subir marchas, a resposta é um pouco mais rápida ainda. Ao começar a empurrar a alavanca já senti o câmbio respondendo e deslocando a corrente. Na minha opinião, o tempo da resposta foi ideal para se gerenciar a passada de marcha com a pedalada.

A abraçadeira do trocador microSHIFT SL-M8195R 9v é em alumínio forjado, e é necessário apenas um leve aperto no parafuso para ele ficar bem firme no guidão.

// Cassete microSHIFT Advent 9v 11-42

Modelo testado: CS-H093A 11-42T
Cog 42 em alumínio: SIM
Relação:11-13-15-18-21-24-28-34-42
Peso: 446g (modelo com o 42T em aço)

O cassete possui uma construção bastante sólida, e há opções onde o maior cog é em alumínio ou aço. O sistema de indexação do cassete possui bons pontos de pescagem de corrente e também de liberação. Muitas vezes ao subir marcha, mesmo com peso nos pedais, não ouvi nenhum ruído na troca. Em outras, no máximo um “cléc-engatou”.

Isso acontece com qualquer cassete, pois também acionamos o trocador em um momento que a corrente não está próxima do ponto de pescagem da corrente. No geral, funciona muito bem toda a indexação do microSHIFT Advent.

// O escalonamento do CS-H093A

Como temos 9v para distribuir o range de 11-42, minha opinião é que a microSHIFT escolheu os números de dentes de cada cog de forma impecável. Em todos os dia que pedalei com o Advent, senti uma grande quebra de cadência ao trocar as marchas. Mas isso é bom!

O interessante dessa relação de marcha é que você é, de certa forma, obrigado a ser bom tanto em girar leve e rapidamente, como em baixa cadência e com força. Nada melhor para o seu treino e condicionamento físico. 🙂

Em sequência, o 11-13-15 trabalham de forma harmoniosa. Depois, do 15 para o 18, a diferença de 3 dentes abaixo do cog 24 já começa a te tirar de sua cadência ideal com mudanças mais bruscas. Depois, entre o 28-34-42 tudo se equilibra novamente e a diferença de 6 e depois 8 dentes te entrega a cadência perfeita para subidas.

Editado em 24/04/2019

Advent 1x8v: O sistema microSHIFT Advent também possui um kit 1x8v, cujo cassete possui a seguinte contagem: 12-15-18-21-24-28-34-42. Para o câmbio traseiro utiliza-se o mesmo de 9v, que também pode ser gerenciado por um trocador de marchas 8v.

// O câmbio microSHIFT Advent 9v 11-42

Modelo testado: RD-M6195M
Montagem: 1×9
Capacidade Total: 41T
Estabilizador de Corrente: SIM
Compatível com Shimano: NÃO
Peso: 378g (modelo com PLUS)

No geral é um câmbio de construção simples, sem frescuras, limpo. Não há grandes ângulos de trabalho nem tecnologias mirabolantes. Isso é ótimo, pois quanto mais frescuras, mais problemas podem aparecer.

// microSHIFT Plus: a estabilização da corrente

O sistema de estabilização de corrente é patenteada, desenvolvida “in house”. Comparando com a primeira e a segunda versão do sistema, as quais recebi e utilizei em modelos anteriores de câmbios, o sistema Plus da microSHIFT está muito evoluído e muito sólido.

Utilizando 2 discos com os lados côncavos um contra o outro, o sistema gera uma pressão que é a resistência entregue ao cage. Já um simples sistema de catraca (ou anti-reverso) possibilita que o cage se mova livremente para trás, e com resistência para frente.

Nas minhas pedaladas eu gosto de judiar do equipamento e descobrir até onde aguentam. Deixava a bike passar por valetas e buracos sem cuidado algum, e só quando era muuuuuito pancadaria que ouvi a corrente dar uma encostada no quadro. Mas ocorreu sempre em descidas e estava nos cogs menores, onde a corrente naturalmente já permanecia bem próxima do chainstay do quadro.

// Direct Cable

Não é visível aos olhos, mas com certeza aqui está a mudança na qual deixou todo o sistema mais responsível: O Direct Cable.

Este é o nome para a construção e o posicionamento do ponto de apoio do conduíte e do braço de acionamento das articulações do câmbio. Não adiantaria apenas mudar o cable pull no trocador de marchas, é necessário também ajustar o derailleur range, que nada mais é que o resultado do deslocamento lateral do câmbio em relação ao tanto que o cabo é puxado ou liberado pelo trocador.

Este câmbio que recebi é para montagem 1x. Existe uma outra versão dele que é para 2x9v, mudando apenas os cages, pois a polia superior precisa trabalhar em uma posição diferente. Masssssssssssss… Seguindo a Capacidade Total deste modelo de câmbio 1x9v, que é de 41T, também montei um sistema com pedivela duplo. Só que o limite foi 10 dentes de diferença entre as coroas. Montei com coroas 36×26.

A relação 2x9v ficou extreamente confortável, podendo encarar qualquer zica pelo caminho. Logicamente o câmbio não respondeu 100% em algumas marchas. Então aconselho não montar 2x com o câmbio 1x se você quer sua bike funcionando perfeitamente.

Neste primeiro momento está chegando no Brasil kits 1×9 (trocador direito, câmbio traseiro e cassete). Dependendo da demanda, o sistema 2×9 também poderá ser importado e distribuido.

// As partes dos câmbio RD-M6195R

Os cages de todos os modelos de câmbios microSHIFT Advent são em aço. As polias são de 11 dentes e com buchas metálicas.

O corpo do câmbio é todo em alumínio forjado, e as articulações são presas por pinos do tipo rebite.

// Outros componentes da linha Advent

Dentro do grupo Advent também há uma opção bacana para Gravel e Road Bikes: Dual Controls para guidão drop. O lado direito controla o câmbio traseiro, e no lado esquerdo é possível ter apenas uma alavanca de freio, ou então freio e acionador de canote retrátil no lugar do sistema de indexação do câmbio dianteiro.

O câmbio traseiro Advent também possui uma versão sem o PLUS (estabilizador de corrente), mas não sei se valeria a pena. O sistema é bem bacana e sempre compensará pagar “umas moedinhas” a mais e ter este benefício.

// Conclusão

No geral, como já comentado, é uma estrutura simples, funcional e muito responsível. Esta aposta no simples e eficiente está fazendo a microSHIFT ser reconhecida pela qualidade de seus produtos. Todos os dias leio e ouço gente comentando que experimentou produtos da marca e ficou muito satisfeito com a aquisição.

O kit Advent não é destinado à competições, mas pode sim ser usado para tal. A grande vantagem é a manutenção. Por exemplo: correntes 9v possuem um custo baixo perto das outras de 10, 11 ou 12v.

Novatos no MTB e também os intermediários poderão apostar neste kit e há grandes chances de gostarem muito. A relação de marchas vai te “educar” a pedalar bem em várias situações, tanto girando leve quanto fazendo força. Você será bom em tudo (ou quase tudo). Mas lembre-se: no fim das contas tudo depende de você. 😉

É isso ae!
Agradeço muito por acompanhar a BikeUp, um abração!

Fabio S.

4 COMENTÁRIOS