Com limitações físicas, alegretence bate recorde no Audax de 200 km

0
832
audax-sem-perna

O alegretense que superou o próprio limite e completou a prova de 200km na modalidade speed, Audax de Cruz Alta, no último dia 05 de março. A saída foi às 6hs do Clube Caça e Pesca localizado na BR158 – KM204, sentido Santa Maria. A prova que teria que ser completada no máximo em 13H30min ele realizou em 10h 57min.

O que diferencia e destaca ainda mais o ciclista é que ele conseguiu realizar o percurso com muita garra e dedicação diante da dificuldade ainda maior pelo fato de que Lucas tem apenas uma perna. Há 12 anos ele teve que amputar a perna esquerda em razão de um tumor.

A superação de Lucas foi destaque entre os competidores e nesta semana ele conversou com a reportagem e contou um pouco como foi participar e concluir este grande feito.

Lucas Fernandes, de 23 anos, é bancário e atualmente esta morando em São Borja. Ele ressaltou que antes da amputação era muito ativo, não parava quieto, fazia de tudo e adorava exercícios e desafios. Depois do procedimento e passado todo o tempo da recuperação, o atleta começou a realizar alguns exercícios para retomar a rotina conforme era antes. “Com o passar do tempo consegui fazer quase tudo o que eu fazia antes, a única coisa que é impossível de fazer é correr. Os esportes sempre estiveram presentes, depois dá amputação, também, comecei a praticar jui jitsu e MTB. Curti a adrenalina do MTB e a sensação de atingir distâncias e velocidades que eu achava impossíveis de eu alcançar”. revela.

No início os pedais eram curtos e após alguns meses, Lucas, fez provas um pouco mais longas. Foi então que surgiu ideia e a realização do Audax, que só foi possível após compra de uma speed devido ser mais leve e conseguir alcançar maior velocidade.

O bancário argumentou que não pensou em completar os 200 km e sim passar dos 100 km. Mas durante a prova ele teve o apoio de uma galera da ACM associação ciclo missões e do grupo Bora Pedalar que não o deixaram desistir e fizeram os últimos 100 km junto com ele. “Se não fosse eles eu não teria completado o audax” – enfatiza.

Questionado sobre qual foi a sensação de ter conseguido realizar algo que inicialmente até ele tinha como impossivel, Lucas falou que não tem como descrever a emoção de ter completado a prova.

“No último ponto de apoio comecei a pensar em todo o trajeto já feito e das dificuldades nas subidas, nos momentos em que passei dos 70 km/h, do quase tombo quando atingi 87,1 km/h da pancada que levei na perna. E no incentivo dos que estavam pedalando junto. Ai os km finais se tornaram os mais fáceis. Quando acabei a prova foi uma sensação de alegria, emoção , adrenalina e alívio de ter concluído o percurso e, ainda, com tempo sobrando” – sintetiza.

O alegretense disse que se define como um cara feliz, que apesar de ter passado pela amputação, consegue fazer tudo o que tem vontade e não se stressa quando algo sai errado. Ele acredita que cada um tem que descobrir a sua maneira de superar suas dificuldades.

Entenda o que é a modalidade Audax

Audax é o nome dado – no Brasil – a um evento ciclístico não-competitivo e de longa distância, conhecido internacionalmente pelo nome de Randonneur. A modalidade é regida mundialmente pelo Audax Club Parisien, França, tendo atualmente no Brasil, como seu representante, o gaúcho Roberto Penna Trevisan, responsável pelo Randonneurs Brasil.

O grande foco dos eventos Randonneur no Brasil é a atividade e desafio de percorrer longas distâncias em veículos de propulsão exclusivamente humana em seu próprio ritmo (em francês, allure libre), terminando o percurso dentro do tempo limite estabelecido. As distâncias homologáveis e seus respectivos tempos limites são: 200 (13:30), 300 (20:00), 400 (27:00), 600 (40:00) e 1000 (75:00), eventos estes conhecidos como Brevets Randonneurs Mundiais (BRMs).

via alegretetudo.com.br