Nunca diga estas coisas ao mecânico de sua bicicleta

mecanico-de-bicicletas

Não esqueça: primeiramente, mecânicos também são pessoas como você.

Mas bons mecânicos são como magos, que transformam sua bike que rangia e estralava em algo que quase flutua durante a pedalada, ou que transforma algo perdido em um componente que ainda vai te dar alegrias por muitos e muitos pedais.
Mas, como também são pessoas, possuem o direito de estarem mal-humorados algumas vezes, ou até todos os dias.

As mãos dos mecânicos estão sempre cheirando lubrificante, as pernas e pés estão sempre doendo, e há milhões de bikes ao redor para serem verificadas.
Ninguém gosta de falar com alguém com o humor ao ponto de estrangular alguém, então aqui vão algumas dicas para você manter seu mecânico sempre de boa com a vida e, principalmente, com você!

“Mas pela internet eu compro mais barato!”

Nos tempos da internet ultra-rápida (não no Brasil), do macarrão instantâneo (que com certeza vai te matar), e casamentos drive-thru (e também divórcios), queremos tudo agora, ou “para ontem”. Porém, algumas vezes você precisa do componente naquele momento, ou você não vai pedalar até a próxima semama até que o componente que você comprou chegue.
E mesmo depois que chegue em suas mãos, você terá que pagar alguém para instalar, ajustar, e deixar tudo funcionando como o fabricante indica. Isso é questão de segurança, de conhecimento.
Sendo assim, aquele pouquinho a mais que você deixou de economizar comprando na internet, pode ser que não seja tão vantajoso assim, já que você terá sua bike pronta para sair pedalando da loja/oficina, além de ter certeza de que está tudo 100% e corretamente funcionando.
Resumindo: a conveniência tem um preço, sempre.

“Você acabou de trocar a câmara de ar e já furou quando cheguei em casa!”

Pode ser que seu mecânico tenha deixado um cavaquinho de aço ou um caquinho de vidro dentro do seu pneu na hora de montar a nova câmara de ar na roda, mas também pode ser que você tenha passado em cima de algo quando saiu pedalando da loja/oficina. Bom, o que será mais viável?
Perceba as diferenças das duas hipóteses antes de apontar o dedo para o mecânico.

“A peça que você instalou ontem, quebrou hoje quando caí. Tem garantia, certo?”

Por acaso você teve garantia na última vez que você retirou o carro no funileiro e quando foi guardar o carro na garagem acertou o portão?

“Mas isso levou apenas 5 minutos, como você vai cobrar tudo isso?”

A maioria das lojas/oficinas cobram pelo serviço, não pelo tempo para fazê-lo.
Então, não é questão de quanto tempo o mecânico levou para realizar o serviço, e sim, quanto tempo VOCÊ levaria para fazer em casa.
Além disso, o mecânico gastou tempo e dinheiro em cursos, especializações e etc. Em outras palavras, ele está cobrando o que acha justo para realizar o serviço em 5 minutos, baseado em todo conhecimento e experiência que ele já tem.

“Você pode me mostrar como faz isso?”

Tirando poucos casos, NÃO. Seguindo o item acima, os mecânicos se especializam, e conhecimento custa tempo e dinheiro, e quanto mais tempo fazendo, maior é a experiência.

“Terminei na 15ª posição na corrida do domingo. Então você deve me patrocinar, não acha?”

Esta resposta mereceu uma postagem exclusiva: Patrocinar você? Simplesmente, não.

“Posso pegar essa ferramenta por um minutinho só?”

Não! Mecânicos vivem e morrem por suas ferramentas. É apenas para apertar um parafuso? Bom, então, talvez.
Mas se você sabe que sempre vai precisar pedir a ferramenta ou que precisará apertar o tal parafuso, então é melhor você pedir a especificação dela e comprar uma na loja para você.

“Eu conseguiria arrumar isso em casa?”

Eu não sei quais suas habilidades mecânicas, e quais ferramentas você tem em casa. Então, é uma pergunta difícil de responder.
Exemplo: seu mecânico pode facilmente sangrar a linha hidráulica de um freio, ou resolver um problema na suspensão. Mas e você, conseguiria também?
Conto aqui um caso em que um amigo-cliente achou que o freio Shimano dele estava muito baixo. Foi numa loja de moto-peças, comprou fluído DOT e injetou nos freios Shimano. Quando ele me ligou perguntando se o procedimento que ele fez estava certo, disse que sim. Estava certo, se ele queria correr risco de vida. Agora pegue seu freio e coloque no lixo.

“Eu tenho uma prova no domingo (é sexta à noite), posso pegar a bike com você amanhã cedo?”

Qual a melhor forma de dizer: a sua falta de planejamento não constitui uma emergência de minha parte.
O cliente vem treinando semanas ou meses, e deixa para a última hora uma revisão geral na bike?
Santa paciência, meu caro!

“…mas eu estava apenas pedalando!”

Quadros ou componentes não quebram à toa.
A quebra em questão pode ser resultado de um acidente anterior, ou mesmo o cliente tentando pular fora da culpa por ter feito alguma “cagada”.
A dica é: diga sempre a verdade, não mais que a verdade. Você pode ficar com cara de bobo se o seu mecânico descobrir o que realmente aconteceu. E isso acontece muito, muito!

via bikeradar, tradução Fabio Santos.

Fabio Santos
Graduado em Comunicação Social & Marketing, mecânico de bicicletas, curioso, perfeccionista e muito chato. Desenvolvedor de produtos para o mercado de bicicletas, amante das bicicletas e toda a mecânica e tecnologia que envolve essas maravilhosas máquinas. Fundador da Revista BikeUP e do Gravel.one.